A seleção portuguesa de futebol de sub-21 defronta hoje a Inglaterra, em encontro da segunda jornada do Grupo D do Campeonato da Europa da categoria, à espreita do apuramento imediato para os quartos de final. Três dias depois da estreia vitoriosa sobre a Croácia (1-0), em Koper, na Eslovénia, a formação orientada por Rui Jorge ruma à capital Ljubljana, onde jogará às 21:00 locais (20:00 em Lisboa), no Estádio Stozice, com arbitragem do francês François Letexier. Não fique fora de jogo! Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações. Portugal pode assegurar já uma das duas vagas disponíveis para a ronda eliminatória (quartos de final, meias-finais e final), destinada às oito melhores seleções, entre 31 de maio e 06 de junho, caso vença a Inglaterra e a Suíça não perca perante a Croácia. Quando entrar em campo, a formação das ‘quinas’ conhecerá o resultado do outro duelo da segunda jornada do Grupo D, que arranca às 18:00 locais (17:00 em Lisboa), em Koper, onde o golo de Fábio Vieira assegurou a primeira vitória lusa na competição. Finalista vencido em 1994 e 2015 e a disputar a oitava fase final de um Europeu de sub-21, Portugal tem os 23 jogadores convocados disponíveis para medir forças com a Inglaterra, surpreendida na quinta-feira pela Suíça (1-0), com um tento de Dan Ndoye. As duas seleções defrontaram-se por 10 ocasiões no escalão de esperanças e a vencedora do torneio em 1982 e 1984 tem ligeira inferioridade, com três vitórias, dois empates e cinco derrotas, duas das quais nas fases finais de 2002 (3-1) e 2015 (1-0). O próximo jogo é sempre o mais importante, mas, quando estás num torneio desta dimensão, isso aumenta. Se é importante para mim? É para os sub-21 da Inglaterra, que não vão cair sem lutar", partilhou Aidy Boothroyd, em videoconferência de imprensa. RELACIONADOS FUTEBOL INTERNACIONAL Europeu de sub-21: jogo quente e empate entre Espanha e Itália FUTEBOL INTERNACIONAL País de Gales vence México, Bósnia empata sem golos com Costa Rica Vencedora em 1982 e 1984, a seleção dos "três leões" defronta a equipa das "quinas", finalista vencida em 1994 e 2015, no domingo, às 21:00 locais (20:00 em Lisboa), no Estádio Stozice, na capital da Eslovénia, com arbitragem do francês François Letexier. A Inglaterra procura recuperar do desaire surpreendente com a Suíça (1-0), enquanto Portugal tenta capitalizar o triunfo sobre a Croácia (1-0) e pode apurar-se já para a ronda eliminatória, caso vença os ingleses e os helvéticos não percam com os croatas. "Viemos cá com um plano de vencer dois dos três encontros, idealmente três, algo que já não vai acontecer. Contudo, ainda estamos no caminho certo e temos de nos assegurar que estaremos recuperados e preparados para o próximo jogo", apontou Aidy Boothroyd. Movidos pelas conquistas do Mundial de sub-20 e do Europeu de sub-19 em 2017, os ingleses chegaram ao Campeonato da Europa de sub-21 com o estatuto de favoritos, embora o golo do suíço Dan Nodye na quinta-feira tenha ajudado a refrear expectativas. "Foi um jogo dececionante por vários motivos. Somos uma equipa que se orgulha de um futebol criativo e da quantidade de golos. É importante não ficarmos de mau humor e a pensar nas coisas, mas também há que extrair aprendizagens desta situação", vincou. A derrota frente à Suíça deixou a Inglaterra "um pouco irritada" e o treinador fez questão de "lembrar os jogadores sobre o quão é importante manter o estilo de jogo tradicional", visível numa qualificação invicta, com 28 pontos em 30 possíveis, e 34 golos marcados. "Tivemos um percalço no caminho, mas, se fosse fácil, não valeria a pena. Esta situação faz parte do crescimento dos nossos jogadores. A oportunidade está aí e todos sabem da importância do momento. Se estamos cá para ganhar jogos, temos de marcar", apelou. Aidy Boothroyd reconhece que Portugal apresenta "pontos fortes que podem trazer problemas" à Inglaterra, desde logo pela hipótese de variar a estrutura "entre o 4-3-3 e o 4-4-2 losango", além da presença de "jogadores magníficos com a bola nos pés". "O Dany Mota e o Francisco Trincão são muito bons atacantes e boa parte da equipa alinha no Wolverhampton. Estamos bem atentos a essa qualidade", concluiu, mostrando-se "afortunado por trabalhar com os melhores jogadores da Europa e do mundo". Depois de ter contabilizado apenas um remate à baliza diante da Suíça, o selecionador inglês já tinha prometido uma estratégia mais ofensiva frente a Portugal, que incluirá a estreia absoluta do dianteiro Noni Madueke, de 19 anos, no escalão de esperanças.